Mundo WhoDat

A casa do torcedor do New Orleans Saints no Brasil!
A linha ofensiva do Saints tem sido uma constante com esses 2 treinadores nos bastidores

A linha ofensiva do Saints tem sido uma constante com esses 2 treinadores nos bastidores

Você poderia escolher quase qualquer semana, mas você também pode começar com a última vez que o New Orleans Saints jogou futebol, quando no aquecimento antes do jogo os dois caras parados sozinhos na end zone jogando bola representavam a totalidade do corpo de running backs do time.

Um teste de COVID-19 positivo do astro Alvin Kamara significava que ele não jogaria o final da temporada regular do Saints, em Carolina. Mas também significava que aqueles que eram próximos a ele – essencialmente, o resto dos running backs da equipe, bem como o treinador de running backs – também estavam fora.

New Orleans tinha o running back Tony Jones Jr., vindo do practice-squad e fazendo sua estreia na NFL, e Ty Montgomery, que estava jogando como receiver e registrou sua única tentativa de corrida na semana 1.

E ainda assim, o Saints correu 156 jardas. Montgomery se tornou o terceiro corredor do Saints a chegar a 100 jardas em um único jogo nesta temporada.

Foi, com certeza, um excelente desempenho individual em circunstâncias difíceis para os running backs que sobraram. Mas também foi o exemplo mais recente de uma linha ofensiva do Saints que consistentemente fez limonada com os limões recebidos neste ano.

“Os objetivos não mudam”, disse o left tackle Terron Armstead. “O objetivo nº 1 é sempre proteger o 9 (Drew Brees) e, em segundo lugar, abrir espaço para os corredores e nossos criadores de jogadas.”

Apenas dois dos cinco titulares da linha ofensiva que estavam na partida de abertura da temporada do Saints, apareceram em todos os jogos desta temporada.

Armstead perdeu dois jogos enquanto estava na lista de reservas/COVID.

O left guard, Andrus Peat, perdeu três jogos e grande parte de outros dois com várias lesões.

A escolha de primeira rodada, Cesar Ruiz, passou as últimas semanas do training camp e a abertura da temporada na sideline, com uma lesão no tornozelo. Seu substituto na equipe titular, Nick Easton, perdeu quatro jogos por causa de duas concussões e foi para a injured reserve esta semana. New Orleans usou seis combinações iniciais diferentes de linha ofensiva nesta temporada.

E, no entanto, aqui está o Saints. À medida que se dirige para o wild-card da NFC no Domingo contra o Chicago, o Saints está em 6º lugar em jardas corridas na NFL (141,6 jardas por jogo) e em 6º lugar em pressão permitida permitida (17,3%). A linha ofensiva do Saints não ficou imune a soluços momentâneos, mas contribuiu na maioria das  vezes com performances sólidas, apesar da alta rotação do elenco.

“Reconhecemos que o valor do nosso sexto, sétimo e oitavo offensive lineman é incrível”, disse o técnico da linha ofensiva Dan Roushar. “Vemos isso todas as semanas com todas as equipes. Temos tido sorte nos últimos anos em ter a capacidade de atrair caras e conectá-los. Eles jogaram em um nível muito alto quando solicitados.”

E já é a hora de reconhecer os dois homens nos bastidores, Roushar e o treinador assistente da linha ofensiva/coordenador do jogo corrido Brendan Nugent, por seus papeis em manter a coesão ao longo da linha, apesar desses desafios.

Brendan Nugent

“Eles são dois dos melhores treinadores de linha ofensiva no jogo”, disse o center Erik McCoy. “Quer tenhamos lesões ou COVID acontecendo, eles sempre nos deram a mentalidade do próximo homem e garantem que a próxima pessoa esteja pronta para jogar, que elas estejam preparadas.”

O treinador Sean Payton adotou uma postura semelhante. O Saints deu aos dois treinadores da linha ofensiva uma excelente profundidade de trabalho – mas cabe a eles garantir que os jogadores estejam à altura da tarefa. Uma linha ofensiva defeituosa pode causar estragos em um plano de jogo ofensivo.

“Olha, (a linha ofensiva) pode permear toda a equipe de uma maneira boa ou ruim”, disse Payton. “E acho que isso nos ajudou a ser consistentes. … (Roushar e Nugent) fizeram um bom trabalho em relação ao ensino e preparação para diferentes cenários.”

Roushar está com o Saints desde 2013, e Nugent desde 2015. Antes de chegar ao Saints, Roushar passou quase três décadas treinando futebol universitário. A única experiência profissional de Nugent antes de chegar a Nova Orleans foi como treinador de controle de qualidade na equipe do Chicago Bears de Marc Trestman.

Roushar e Nugent se conheceram trabalhando com o Saints em 2015, e eles trabalham juntos desde que Roushar assumiu as funções de treinador de linha ofensiva na temporada de 2016. Como qualquer pessoa que trabalha junto há muito tempo, Roushar disse que eles cresceram juntos e aprenderam a se complementar. Ele frequentemente fala com entusiasmo de sua contraparte como treinador.

“Ele é incrivelmente valioso”, disse Roushar sobre Nugent. “Ele é um treinador supertalentoso. É extremamente inteligente, um grande comunicador e tem uma visão real de como queremos fazer as coisas.”

McCoy chamou os estilos de seus treinadores de “opostos, mas semelhantes ao mesmo tempo”. Armstead, que se tornou um dos principais left tackles da NFL sob sua tutela, teve uma visão mais específica, descrevendo Roushar como um treinador metódico que ficará feliz em passar horas em salas de reuniões, repetindo coisas até que estejam enraizadas, enquanto Nugent assume um papel mais amplo no campo.

O resultado disso, disse Armstead, é uma linha ofensiva do Saints cuja força é a profundidade, e sua profundidade é um subproduto do treinamento e do desenvolvimento.

“A maneira como eles são extremamente detalhados e sabem o que querem ver de nós, apenas tentando garantir que vamos dar o nosso melhor a cada semana, sem nunca tomar o jogo como garantido ou a reputação como garantida”, disse Armstead. “Isso é difícil de se fazer ao longo da temporada. Ter dois treinadores acompanhando você é extremamente benéfico para nós. ”

Todos os anos, a linha ofensiva do Saints espera atender a um conjunto de padrões exigentes. Embora todas as equipes tenham lidado com os desafios deste estranho ano, atender a essa expectativa nesta temporada teve seus obstáculos para a linha ofensiva de Roushar, Nugent e do Saints.

Não houve uma pré temporada bem definida para aprimorar os fundamentos, nenhum trabalho inicial com os jogadores nas instalações de treinamento para refinar a técnica.

“No entanto, a unidade (da linha ofensiva) é talentosa”, disse Roushar. “É uma unidade que se dá muito bem e eles compartilham conhecimento a um nível tão alto, que realmente, no final do dia, esperamos que o desempenho se mantenha em alto nível e tenhamos a consistência, e ficamos decepcionados quando não é assim.”

Para saber mais sobre como foi a pré temporada da linha ofensiva do Saints, acesse: A JOVEM LINHA OFENSIVA DO SAINTS TESTADA DIARIAMENTE EM REUNIÕES ONLINE

Traduzido de: nola.com

Foto destacada: O técnico da linha ofensiva do New Orleans Saints, Dan Roushar, observa o center Erik McCoy, à esquerda e o offensive tackle Andrus Peat, à direita, fazendo exercícios de repetição durante os treinos em seu centro de treinamento em Metairie, Louisiana, Quarta-Feira, 2 de setembro de 2020. (AP Foto/Gerald Herbert, Pool ORG XMIT: LAGH137 (AP Photo/Gerald Herbert, Pool)

Please follow and like us:

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.