Mundo WhoDat

A casa do torcedor do New Orleans Saints no Brasil!
A notícia sobre os assédios ocorridos no Washington chocou muitos, mas não as mulheres

A notícia sobre os assédios ocorridos no Washington chocou muitos, mas não as mulheres

As defensoras da diversidade e inclusão disseram que até que a liga lide realmente com seu relacionamento tóxico com as mulheres, “essas histórias continuarão surgindo”.

Por Juliet Macur e

17 de Julho de 2020, The New York Times

Depois que a notícia sobre os vários casos de assédio sexual que aconteceram no Washington NFL vir ao ar, vários membros de organizações de mulheres participaram de um bate-papo em grupo.

Nenhuma delas ficou surpresa com o fato de o Washington Post ter relatado que 15 mulheres apresentaram acusações de assédio contra colegas de trabalho. Alguns membros do bate-papo em grupo já haviam aconselhado a NFL sobre questões da cultura no local de trabalho e todas estavam familiarizadas com o quão difícil poderia ser trabalhar na indústria do futebol profissional dominada por homens.

“Se a liderança estava de acordo com o nome desrespeitoso, racista e objetivador da equipe, não era muito difícil pensar o que seria traduzido para a cultura do local de trabalho”, disse Linda Seabrook, consultora geral e diretora de segurança no local de trabalho e equidade na Futures Without Violence, referindo-se à longa batalha da equipe contra a mudança de nome, que os nativos americanos (e muitos dicionários) consideram um insulto. O proprietário de Washington, Daniel Snyder, recentemente rendeu-se diante da pressão dos patrocinadores para mudar a identidade e as imagens da equipe.

Alguns especialistas em diversidade e inclusão de gêneros questionaram a disposição do proprietário da equipe, Daniel Snyder, de mudar a cultura de sua equipe sem um esforço externo. Crédito: Patrick Semansky / Associated Press

“Existem histórias e mais histórias de mulheres que foram assediadas, marginalizadas e objetificadas dentro da NFL”, disse Seabrook. “E até que a liderança mude a cultura no local de trabalho, essas histórias continuarão surgindo”.

Seis anos atrás, após o caso de violência doméstica de Ray Rice, a NFL desencadeou um debate nacional sobre como a liga e seus jogadores tratam as mulheres, levando o comissário Roger Goodell a destacar os esforços de mudanças na NFL. Em uma entrevista coletiva transmitida nacionalmente, ele prometeu mudanças na política de conduta pessoal da liga, dizendo: “Vamos fazer isso acontecer”. Ele acrescentou: “Colocaremos nossa casa em ordem primeiro.”

No entanto, relatos contínuos de violência doméstica e agressão sexual dentro da liga são lembretes de que o trabalho da NFL está longe de terminar. E os grupos de mulheres que pressionaram a liga a fazer esforços substanciais para evitar assédio sexual e violência doméstica estão dolorosamente cientes de quão longe a liga ainda precisa ir.

“A mudança leva tempo, mas você precisa ter vontade e vontade é mais do que palavras”, disse Rene Redwood, consultora de inclusão e igualdade que aconselhou a liga em questões de raça e abuso. “Eles são bons no aspecto de marketing, dizendo o que acham que as pessoas querem ouvir, em vez de fazer o trabalho sistêmico, seja de raça ou de gênero”.

Redwood questionou se a NFL fornece recursos suficientes ou a motivação de suas equipes para manter as funcionárias seguras e dar a essas mulheres chances equitativas de sucesso. Na sua opinião, existem poucos mecanismos para a liga aplicar suas diretrizes ou responsabilizar as equipes por não cumpri-las.

Redwood e outras mulheres que aconselharam a NFL disseram que a liga só reagiu rapidamente quando percebeu que tinha um problema de imagem ou estava sob pressão financeira e, como poucos patrocinadores se afastaram da liga após o caso Rice, a reforma organizacional foi lenta.

“Desde que eles gerem receita, por que se preocupar em mudar?” Redwood disse.

A equipe de Washington contratou o escritório de advocacia Wilkinson Walsh para revisar as alegações das mulheres que disseram ao The Washington Post que foram assediadas sexualmente enquanto trabalhavam na equipe. Snyder, proprietário da equipe, disse em comunicado que o comportamento descrito no artigo publicado “não tem lugar em nossa franquia ou sociedade”.

“Esta história reforçou meu compromisso de estabelecer uma nova cultura e padrão para nossa equipe, um processo que começou com a contratação do treinador Rivera no início deste ano”, disse ele no comunicado, referindo-se a Ron Rivera, contratado em Dezembro de 2019 .

A liga, em comunicado, disse que as alegações “são graves, perturbadoras e contrárias aos valores da NFL.”

Sunu P. Chandy, diretora jurídica do National Women’s Law Center, disse que os líderes da liga e da equipe devem reavaliar imediatamente e mudar a forma como administram seus locais de trabalho dominados por homens, incluindo a instalação de vários mecanismos para denunciar assédio e abuso para que todos os funcionários sintam-se confortáveis no trabalho todos os dias.

“Se eu estivesse no comando da NFL, estaria me perguntando: ‘Que tipo de cultura estamos criando aqui com as equipes afiliadas a nós?'”, disse ela, acrescentando que os líderes podem e devem decidir ser uma força para o bem e todo o tempo e não apenas permanecerem complacentes.

Um dos obstáculos à mudança de comportamento na NFL é a estrutura da própria liga. Como a maioria das ligas esportivas, a NFL é essencialmente uma organização comercial com 32 franquias nos Estados Unidos. Ela tem controle sobre algumas funções, como negociar contratos de transmissão e acordos trabalhistas, e lida com o marketing e a programação de jogos, mas cada equipe é administrada com sua própria entidade comercial.

Sob o Comissário Roger Goodell, o escritório principal da NFL possui uma porcentagem menor de mulheres em suas fileiras, em comparação com as da NBA, WNBA e a Major League Soccer. Larry W Smith/EPA, via Shutterstock

A liga estabelece diretrizes para o local de trabalho que as equipes devem seguir e, em alguns casos, o comissário pode avaliar penalidades financeiras e outras para clubes que violarem essas regras. Mas o escritório da liga não pode dizer a um time quem contratar.

“Não há dúvida de que é um ato de malabarismo para a NFL manter seus lucros enquanto tenta fazer a coisa certa, e muitas vezes há uma conexão entre essas duas coisas”, disse Kim Gandy, ex-chefe executiva da National Network to End Domestic Violence que aconselhou a NFL após o caso em que Rice agrediu sua então noiva.

Nos últimos anos, a NFL começou o treinamento anti-assédio no escritório da liga e os clubes empreenderam seus próprios esforços de treinamento. Em Fevereiro, o comitê de diversidade no local de trabalho da liga disse às equipes que, na próxima primavera (no hemisfério norte), eles deverão apresentar planos de treinamento tendencioso inconsciente e treinamento anti-racismo. A liga conduz separadamente liderança inclusiva para os funcionários em sua sede.

Em 2019, 36,8% das pessoas contratadas na sede da NFL eram mulheres, um aumento de nove pontos percentuais em relação a 2010, de acordo com dados coletados pelo Institute for Diversity and Ethics in Sport at the University of Central Florida. Desde 2014, a liga contratou várias mulheres para ocupar cargos importantes, incluindo diretora de operações, vice-presidente de responsabilidade social e uma ex-promotora para investigar a má conduta dos jogadores.

Mas a matriz da NFL tem uma porcentagem menor de mulheres em suas fileiras do que as de outras grandes ligas esportivas, como a NBA, WNBA e Major League Soccer. No geral, o instituto deu a NFL uma nota “C++” por sua diversidade de gênero em 2019. Em 2016, a liga expandiu a chamada Regra Rooney da NFL, decretando que pelo menos uma mulher teria que ser entrevistada para qualquer vaga de cargo executivo no escritório da liga.

No nível dos clubes, o número de mulheres em cargos administrativos seniores e profissionais aumentou apenas cinco pontos percentuais na última década. A liga não fornece uma divisão das contratações por equipe, portanto, não está claro o quão diversificada é a sede do clube de Washington.

Ainda assim, empregar mais mulheres no escritório da liga e dentro de suas equipes, disse Seabrook, da Futures Without Violence, não resolverá os maus-tratos recorrentes a mulheres, a menos que haja mudanças mais fundamentais.

“Você pode promover todas as mulheres que você deseja e colocá-las nas posições mais altas que desejar, mas se você não estiver criando responsabilidade e incentivo para promover um ambiente de trabalho inclusivo e solidário, isso não significa muito”, disse ela.

“Existem histórias e mais histórias de mulheres que foram assediadas, marginalizadas e objetificadas na NFL”, disse Linda Seabrook, diretora de segurança e equidade no local de trabalho da empresa Futures Without Violence.

Crédito da imagem de abertura: Jim Lo Scalzo/EPA, via Shutterstock

Gillian R. Brassil contribuiu com a reportagem.

Traduzido de: nytimes.com

Please follow and like us:

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.