Mundo WhoDat

A casa do torcedor do New Orleans Saints no Brasil!
Conhecendo nosso adversário: Carolina Panthers

Conhecendo nosso adversário: Carolina Panthers

Voltando da semana de folga, o New Orleans Saints volta à ativa encarando um rival de divisão e buscando voltar ao topo da NFC Sul.

A equipe recebe no Superdome o Carolina Panthers, dono de uma campanha de três vitórias e três derrotas (3-3). A equipe começou mal a temporada, perdendo em casa para o Raiders por 34 a 30 e fora de casa para o Buccaneers por 31 a 17. Depois a franquia se recuperou e conseguiu três vitórias consecutivas: 21 a 16 fora de casa contra o Chargers, 31 a 21 em casa contra o Cardinals e 23 a 16 fora de casa contra o Falcons. Porém, na semana passada a equipe voltou a perder, dessa vez por 23 a 16 contra a forte equipe de Chicago.

Os resultados e a campanha mostram uma equipe mediana, e isso é realmente o que o Carolina Panthers é. Vamos a uma análise mais minuciosa da equipe de Charlotte.

ATAQUE
Teddy Bridgewater. Foto de: Mike Ehrmann/Getty Images.

Após ser comandado durante muitos anos pelo atlético Cam Newton, esse ataque possui uma cara nova nessa temporada, Teddy Bridgewater. Jogador bem conhecido e adorado pelos torcedores do Saints, Teddynho seguiu a sua vida e comanda um ataque que faz um bom trabalho dentro de suas limitações. A equipe é a 23ª em pontos feitos por jogo com 23 e a 11ª em jardas conquistadas por partida com uma média de 383,5 jardas por partida. Nada mal para um ano que para muitos era considerado como sendo de reconstrução.

Sobre Teddy em si, foi montado para ele um ataque com características parecidas com as quais ele trabalhou em NOLA, baseado em passes curtos e médios, e isso têm funcionado muito bem. Teddy possui uma média de 279 jardas aéreas por jogo, além de 6 TDs e 5 INTs. Não é porque o jogo é baseado em passes curtos que Bridgewater não solta o braço às vezes, a química do QB com o também recém-chegado Robby Anderson é muito boa, o que nos leva ao grupo de recebedores.

Problemas extra campo a parte, Robby Anderson mostrou muito talento no NY Jets e confesso que era um jogador que eu ambicionava na última free agency. Porém, ele veio a assinar contrato com o Panthers e não acho que ninguém se arrepende disso até agora. Anderson possui a 2ª maior marca da liga com 566 jardas aéreas em 6 jogos, média altíssima de 94,3, além de 1 touchdown recebido. Além dele, a equipe ainda conta com o ótimo recebedor DJ Moore, que também figura no top 10 em jardas na NFL com 474 jardas e 1 touchdown. Curtis Samuel, Seth Roberts e o ex-Saints Keith Kirkwood completam o grupo de WRs. Sem muito destaque (ALELUIA), os TEs de Carolina são Chris Manhertz e Ian Thomas.

Quem mais recebeu touchdowns na temporada foi o running back Mike Davis com 2. Isso nos faz entrar no grupo de corredores, que, em condições normais, teríamos um parágrafo inteiro sobre Christian McCaffrey, porém o mesmo não vai jogar e está na IR. Entretanto, Mike Davis faz um ótimo trabalho na sua ausência, com uma boa média de 4,3 jardas por carregada e 2 touchdowns terrestres. Mas o RB é muito utilizado no jogo de passes, com 32 recepções na temporada para 209 jardas. O RB reserva é Trenton Cannon, que pouco aparece nas partidas.

Fechando o ataque, a linha ofensiva pode não contar com o guard titular John Miller, questionável, mas no geral, é uma linha razoável que cede 2 sacks por jogo, 15ª melhor marca da liga.

DEFESA
Defesa do Panthers tackleando Jimmy Graham. Foto de: Rock Hill Herald.

Em números, a regularidade continua a aparecer quando o assunto é a defesa, pois a equipe ocupa o meio da tabela em pontos cedidos por jogo, sendo a 13ª com média de 23,5, e é a 11ª em jardas cedidas por jogo com uma média de 340,5. Porém, para muitos, a defesa tende a ser o ponto fraco dessa equipe até então, visto que o ataque tem conseguido produzir bem.

Iniciando essa defesa, temos na linha defensiva uma utilização de vários jogadores revezando na linha. Os principais jogadores são o DE Brian Burns (2 sacks) e o DT Derrick Brown, pick 7 do último draft. Tirando os dois, os DEs Stephen Weatherly, Marquis Haynes (2 sacks) e Efe Obada fazem um bom trabalho. A equipe ainda possui o DT Zach Kerr e não conta com o 2x Pro Bowler Kawann Short com uma lesão no ombro que o tirou da temporada. O novato de 2ª rodada Yetur Goss-Matos não têm jogado muito até aqui.

Continuando com o front seven, o grupo de linebackers conta com o talentoso Shaq Thompson, além de Tahir Whitehead e alguns snaps de Adarius Taylor. O front seven é a parte que possui mais problemas na defesa, visto que é a 18º na liga em jardas terrestres cedidas por jogo com uma média alta de 121,7.

Começamos a secundária com o novato sensação dessa defesa, a pick de 2ª rodada Jeremy Chinn. O jogador é um Safety mas que pode jogar como LB também (está citado como LB no Depth Chart). Mas, ele é o líder em tackles da equipe com 49 e ainda possui uma interceptação na temporada. Seu companheiro da posição é o experiente Tre Boston. Dentre os cornerbacks, a equipe conta com o bom Rasul Douglas, mas que não jogará pois está com COVID-19, com Donte Jackson que possui duas interceptações na temporada, além de Juston Burris, o novato Troy Pride Jr, Corn Elder, o safety Sam Franklin e pode contar com a volta do ex-Saints Eli Apple, para a felicidade dos torcedores de Louisiana (rs). Tive que citar todos esses nomes pois aparentemente todos possuíram uma boa quantidade de snaps dos últimos jogos. Independente da quantidade de peças que a secundária usa, é interessante dizer que esse setor funciona. A secundária é a 7ª melhor da liga em jardas cedidas por jogo com uma média de apenas 218,8, isso significa que o Saints terá um trabalho árduo sem os dois principais recebedores da equipe.

TIME DE ESPECIALISTAS
Kicker Joey Slye. Foto de: Brandon Todd/panthers.com

Em uma temporada decente, o kicker Joey Slye é o líder em tentativas de FG por jogo na temporada com uma média de 3. Estava com COVID-19 mas foi liberado para a partida, está 16/18 de FGs na temporada, além de 10/12 em pontos extra. O punter da equipe é o novato Joseph Carlton, e os retornos ficam por conta do experiente Pharaoh Cooper.

Devido aos desfalques da equipe da casa, a competitividade que o Carolina Panthers tem mostrado, e ao fato de ser um jogo do Saints, pode-se esperar uma partida mais equilibrada do que muitos imaginam, mas a franquia de New Orleans é favorita para a partida que ocorrerá às 14 horas, horário de Brasília, no Superdome.

Imagem destacada: Mike Ehrmann – Getty Images.

Please follow and like us:

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.