Mundo WhoDat

A casa do torcedor do New Orleans Saints no Brasil!
‘Eles não veem o que a gente está vendo’ – Jeff Ireland fala sobre o draft do saints

‘Eles não veem o que a gente está vendo’ – Jeff Ireland fala sobre o draft do saints

Jeff Ireland está em sua sétima temporada como gerente geral assistente do New Orleans Saints e diretor de recrutamento do College. Durante esse período, ele supervisionou a seleção de 43 prospectos do draft e a assinatura de dezenas de agentes livres não draftados.

Desse grupo, 15 são projetados para serem titulares pelo Saints nesta temporada, incluindo seis jogadores que foram escolhidos para o Pro Bowl ou All-Pro: Deonte Harris; Alvin Kamara; Marshon Lattimore; Andrus Peat; Ryan Ramczyk e Michael Thomas.

Em uma entrevista de Jeff Duncan com Ireland na sexta-feira, 7 de Maio, quando ele tirou um merecido dia de folga após o Draft de 2021 da NFL. Ele discutiu a classe deste draft e o pensamento por trás de cada uma das seis escolhas. A conversa:

Duncan: Você obviamente gostou mais de sua escolha de primeira rodada, Payton Turner, do que muitos dos analistas de draft, muitos dos quais o classificaram como um prospecto de segunda rodada. Por que vocês gostaram tanto dele?

Ireland: Bem, nos sentimos muito confortáveis ​​com a forma como avaliamos os jogadores, com o trabalho que realizamos e com o processo que realizamos para chegar a uma nota. Aprendemos o processo com um dos melhores treinadores do ramo, Bill Parcells. E eu até peguei esse (processo) e o expandi. E assim, quando chegamos à nota de um jogador na primeira rodada, ela foi ridicularizada, criticada, analisada e avaliada por diferentes grupos de pessoas. Fazemos com que nossos treinadores ofensivos acompanhem os jogadores defensivos. Fazemos com que nossos treinadores de defesa acompanhem os jogadores ofensivos e entramos em um determinado processo. E então os jogadores têm sido criticados fortemente quando você chegou a esse ponto. E Payton, como o resto da classe do draft, continuou aparecendo nesses estudos como o melhor jogador. E então, em um draft como este, isso vale para todos os drafts, mas especificamente neste ano, há muito menos informações do que você normalmente obtém. E então, um dos objetivos é garantir que eliminamos nossa margem de falha nas coisas que podemos eliminar. Caráter, inteligência. Não teremos um jogador fraco. Íamos escolher um protótipo. Isso acontece quase todos os anos, mas as coisas que eram críticas para a posição, tínhamos que ver e ver cada vez que ligávamos o vídeo do jogador. Um fator crítico para a posição defensiva é o motor, uma implacabilidade e perseguir jogadas. Ele pode fazer jogadas na linha de scrimmage e ao longo do campo? E você vê isso de forma consistente neste jogador. Então, quando começamos o processo, tínhamos uma nota muito alta para ele, talvez fora da primeira rodada por pouco. E quando começamos as reuniões de treinadores e depois da segunda e até a terceira comparação de jogador versus jogador, ele continuou se destacando como o cara número um. E então, finalmente, no final da semana, Sean (Payton) e Mickey (Loomis) e eu colocamos vídeos de alguns caras que estávamos estudando juntos, e acabamos assistindo várias horas de fita apenas dele (Turner) e alguns outros jogadores com os quais o estávamos comparando. E ele continuou se destacando. Sentimos no final do dia, cara, ele é exatamente o que pensamos que ele é. Porque estamos tentando criticar (segundo palpite) a nós mesmos e dizer: ‘Ei, olhe, não o vemos nos mocks.’ … Em algum momento, comecei a olhar para os mocks drafts. Eu realmente não presto muita atenção a eles, mas também quero gerenciar o draft da maneira que preciso, e não quero pegar um jogador muito cedo se acho que poderia pegá-lo mais tarde. E estou olhando para nossa nota em comparação com os especialistas, e acho que eles estão errados. No final do dia, eu penso, ‘Eles não veem o que estamos vendo’.

Duncan: Então o que você está dizendo é que Payton Turner não era apenas uma alternativa?

Ireland: No final do dia, não resolvemos. Nós nos sentimos fantásticos por causa do processo que passamos, todas as coisas das quais tentamos nos ridicularizar, e então ele continuou se destacando. Olha, ele tem o caráter, ele tem o motor, ele tem a envergadura. Ele é o Defensive End mais “alto”, eu acho, nos últimos 10 anos. E brinca com isso. Ele brinca com essa envergadura e é atlético. O treino foi fantástico. Turner pesa 122kg, joga o estilo de defesa que queremos jogar. E isso é, levando o tackle em direção ao quarterback. Não vamos ficar muito atrás do quarterback. Não somos esse velho Dwight Freeney. Nós não somos isso. Não é assim que jogamos na defesa. Vamos colocar as mãos na cara do quarterback. Vamos pegar esse tackle, vamos pressioná-lo de volta para o colo do quarterback. E vamos jogar com velocidade e potência. Então, quando você pensa que só trazemos poder, ele tem o porte atlético para contornar você, assim como Marcus (Davenport) e como Cam (Jordan). E assim, em poucas palavras, é como chegamos à escolha.

Duncan: Sabemos que o cornerback era uma necessidade. Creio que não havia nenhum outro CB tão talentoso quanto Payton na pick 28, certo?

Ireland: Isso mesmo.

Duncan: Então, neste draft, como a posição de cornerback foi avaliada? Quais eram as várias camadas na posição?

Ireland: Olha, enquanto eu divaguei pela posição de DE, fizemos a mesma coisa com a posição de CB. Você pode imaginar. Você sabe que é uma necessidade. Não é uma necessidade, é uma obrigação. Em nossas anotações, era uma posição obrigatória. Temos que preencher isso. Mas tenho muito cuidado com essas posições obrigatórias sendo elevadas no projeto apenas porque precisamos de jogadores. Eu quero avaliar e analisar essa posição, e às vezes você tem que ser muito crítico sobre a avaliação. A visão que temos do jogador é extremamente importante na forma como ele se enquadra. E então você tem que fazer isso em todas as posições – as visões que temos em todas as posições. Acho que o primeiro patamar era (Jaycee) Horn e (Pat) Surtain, não necessariamente nessa ordem. E então o próximo nível era provavelmente (Greg) Newsome e (Tyson) Campbell. E eu acho que (Eric) Stokes e (Paulson) Adebo estavam no próximo grupo. Sentimos que todos estavam competindo para serem titulares. Não sentimos que esses jogadores ocuparíam com certeza a posição como talvez Horn e Surtain faríam.

Duncan: Você mencionou o que procura e valoriza em um defensive end. E em um CB? O que vocês todos querem em um CB?

Ireland: Confiança, nº 1. É uma característica difícil de avaliar, mas você sabe quando vê. Horn e Surtain tinham isso. Acho que o Adebo tinha em 2018. Ele tem que recuperar isso. Newsome teve um pouco. Os corners devem ter memória curta. E da maneira como atuamos na cobertura de homem a homem, você tem que ser capaz de pressionar o recebedor. Você tem que ser capaz de jogar off-man. Certamente, o instinto e a consciência de jogo são (traços) essenciais para nós. Pensei que alguns desses outros CBs não tinham um pouco do porte atlético e das características atléticas que estávamos procurando ou eram apenas muito jovens no desenvolvimento de seu QI de jogo. A outra coisa que não mencionei, que estaria no topo da nossa lista, seriam as habilidades com a bola.

Duncan: E quanto ao tamanho? Quão importante é isso na sua avaliação?

Ireland: Gostamos do tamanho. Nem é preciso dizer, porque somos uma equipe prototípica. É fundamental, e é realmente um dos pré-requisitos que procuramos. Quero dizer, o tamanho é a primeira coisa sobre a qual falamos em todas as posições, como, ‘Ele é um protótipo ou não é um protótipo’. É tipo sim ou não, saia de cima do muro. Ele é o que estamos procurando ou não. E então, nisso vai altura, velocidade comparada com o peso. Isso é certamente crítico.

Duncan: Sua escolha da terceira rodada, Paulson Adebo, se encaixa no protótipo. Eu suponho que vocês deram uma boa nota pra ele, certo?

Ireland: Sim. Gostamos de seu físico e do caráter dele. Ele é grande, ele é “alto”. Ele tem sido muito produtivo. Sentimos que poderíamos corrigir alguns dos erros que você vê nos vídeos. Quando o separamos entre marcação zona e homem, seus snaps em zona, às vezes seus olhos na zona o colocavam em apuros. Ele tentava interromper o passe ou interceptar a cada jogada, em vez de apenas “Ei, vamos enfrentar o cara”. Às vezes você tem que entender como jogar com o recebedor e com bola e quando fazer isso. Às vezes, ele misturava isso na cobertura de zona e ia na tentativa da big play. Isso acabou resultando em touchdown, especificamente em dois jogos em 2019. Mas quando você vê ele marcando pressão, ele era muito bom. Em off-man, era muito bom. Ele certamente tem o conjunto de habilidades que procuramos. Ele tem a inteligência, a consciência, os instintos e o tamanho, e ele vai tacklear, o que é importante para nós também.

Duncan: Como a temporada de opt-out influenciou sua avaliação, se é que influenciou?

Ireland: Em anos anteriores, criticamos os caras que optaram por sair de um jogo ou bowl. Mas quando você tinha opt-outs em massa, e havia jogadores realmente bons optando por isso, era realmente difícil avaliar. Bem, por que ele desistiu? O que eu soube sobre o Adebo foi de 2018, ele teve um ano fantástico. Eu sabia que ele estava pensando em não jogar em 2019. Ele não teve um ótimo ano. Ele teve esses dois jogos ruins em 2019. E então ele volta pra campo para provar que é um bom jogador. E então a pandemia chegou. Ele foi competitivo o suficiente para voltar e provar que era um grande jogador. Então, não acho que vimos isso como algo negativo para ele.

https://youtu.be/xfwR0p2uE18

Duncan: O que você viu que gostou no Pete Werner?

Ireland: Ele é tudo o que você procura em uma escolha de draft. Ele preencheu todas as necessidades. Ele foi um ótimo jogador de times especiais quando calouro. Eu quero dizer muito bom. Ele vai jogar em todas as quatro principais posições do special team. Ele tem o protótipo (tamanho). Ele foi titular três anos, jogou em várias posições. Você o vê jogando mike linebacker na defesa. Você o vê jogar com vontade. Ele jogou de Sam, fez blitz, jogou na cobertura por zona e homem a homem. Ele até jogou de safety quando eles precisavam de um jogador extra. Mesmo como um linebacker, ele jogou como um “safety” da metade do campo. Quero dizer, você pode dizer que eles confiam nele para fazer tudo o que lhe pedirem. … Eu gosto dos jogadores de Ohio State. (nota do tradutor: Sério Jeff? a gente nem percebe isso). Quer dizer, acho que eles passaram por um processo de preparação para grandes jogos.

Duncan: Qual é a visão para ele em termos de posição?

Ireland: Em última análise, isso dependerá dos nossos treinadores. Eu acho que o jogador vai ser um mike linebacker na liga. Temos alguma versatilidade agora na posição. Vai depender de como a gente quiser utilizar o Demario (Davis). No mínimo, sabemos que estamos contratando um jogador central de special teams, e um cara que pode entrar imediatamente e jogar sem ter que gastar muito tempo treinando o garoto. Ele vai saber o que fazer muito rapidamente.

Duncan: Vamos falar sobre Ian Book. Eu sei que Sean Payton realmente gostava dele, especialmente seus intangíveis. O que mais?

Ireland: Bem, para mim, a posição de QB começa com preenchendo alguns poréns. Ele foi titular por três anos? Sim. Ele completava mais de 60% de seus passes na carreira? Sim. A proporção de touchdown-interceptação era de 2 para 1? Eu acho que era. Ele foi capitão por dois anos? Sim, ele foi. Quando você fala com seus companheiros de equipe, eles o querem em seu time nos próximos anos? Eles disseram que sim – foi unânime. Ele é um criador de cultura no vestiário. Ele pode fazer jogadas quando está fora de fase? Sim. É tão bom quanto qualquer pessoa, pensei, no draft deste ano. Quando a jogada quebra, ele pode fazer uma outra jogada. Força do braço? Olha, isso provavelmente não é uma das três principais coisas que estou procurando no quarterback, porque acho que a força do braço do quarterback é superestimada. Ele tem um bom braço. Ele pode fazer todos os lançamentos que queremos que ele faça. Ele é preciso. Ele pode lançar em movimento, tira a bola da mão rapidamente, pode tomar decisões rápidas. Sim, ele é um pouco baixo. Há momentos em que ele não consegue ver, então ele corre e tenta fazer uma jogada com os pés ou fazer uma jogada em campo para ganhar tempo. Precisamos ensiná-lo, como a equipe ensinou a Drew (Brees), a entrar no pocket e confiar no que deveria estar lá, mas estou confiante de que ele aprenderá isso. Eu sei que ele pode vir e ser um bom backup e fornecer snaps realmente bons. Ele não vai precisar de muito treinamento extra. Você não vai ter que gastar tempo com ele quando estiver tentando preparar a partida. Ele joga muito bem, é um vencedor, é instintivo. Ele é um jogador. Acho que se joga futebol americano em Notre Dame há um tempo – mais de 100 anos – e ele é o quarterback mais vencedor de todos os tempos. Eu gosto de alguns desses traços e gosto de seus vídeos também.

Duncan: Existe uma boa comparação para ele? Eu sinto que ele tem um pouco de Jake Delhomme nele.

Ireland: Eu posso ver isso. Eu senti como se tivesse visto um pouco de (Tony) Romo no garoto. Às vezes, ele tem olhos na nuca… É engraçado, Mickey, Sean e eu, todos nós temos ótimos recursos ao redor da liga, ótimos colegas. Provavelmente ouvi mais pessoas me elogiarem sobre a escolha do Ian Book, pessoas em quem confio e conheço. Eles amam aquele jogador.

Duncan: Vamos às duas últimas escolhas, Landon Young de Kentucky e Kawaan Baker de South Alabama.

Ireland: O protótipo de Landon (tamanho). Ele é esperto, titular por três anos, jogou de tackle direito e esquerdo, possui envergadura, ele é inteligente. Apenas joga com bons instintos e consciência. Ele é forte. Ele é forte, fez 34 repetições no supino. Landon vai ser um jogador tecnicamente preciso na liga. Ele vai ser um pouco como (Zach) Strief. Ele é grande e vai ganhar o primeiro contato. Ele vai estudar o DE ou o cara à sua frente, e ele vai saber exatamente cada movimento que aquele cara vai fazer. E então, veja, ele vai fornecer alguma profundidade na linha ofensiva. Ele pode jogar tackle direito, tackle esquerdo. Ele provavelmente pode jogar de guard. Ele é durão e simplesmente sabe como jogar. Ele vai dar profundidade e tem a chance de jogar muito para nós.

Duncan: E sua última escolha, Kawaan Baker, o recebedor?

Ireland: Altura, peso, velocidade. O trabalho de primavera que fizemos com ele foi realmente bom. Seu Pro Day foi muito bom. O vídeo dele salta os olhos. Acho que ele teve oito quarterbacks titulares ao longo de seu tempo na faculdade. Quando você o vê bloquear, essa é uma das coisas, cara, que procuramos no recebedor, o que mais você pode fazer? Sua fisicalidade e sua “violência” nas jogadas eram realmente boas, e isso nos surpreendeu em seus vídeos. E aí no Pro Day, ele correu bem, pegou bem a bola. Ele é rápido, rápido em linha reta. Senti que havia alguma habilidade de desenvolvimento realmente boa para trabalhar, senti que ele poderia entrar em seu primeiro ano como recebedor reserva e a vantagem de se tornar um cara que pode contribuir no futuro.

Duncan: Alguns executivos da liga disseram que foi mais competitivo do que nunca para agentes livres não draftados este ano porque havia mais perspectivas do que o normal. Foi esse o caso?

Ireland: Foi um ano muito diferente para os agentes livres. Eu acho que havia 600 ou 700 jogadores a menos que o normal. Então, todo mundo na free agency estava perseguindo o mesmo pequeno grupo de jogadores. Tínhamos menos de 120 (no nosso board). Eu sinto que o final do draft não tinha tanta qualidade. E acho que fomos mais exigentes porque tínhamos menos informações médicas. Alguns desses caras, nunca vimos pessoalmente. Fui a 17 Pro Days. Normalmente, deixo meus olheiros fazerem isso ou mando os treinadores irem. Mas eu pessoalmente queria ver caras que não tive a chance de viajar para ver no outono. Não consigo me lembrar de um draft em que haja 20% dos jogadores que nunca vimos jogando.

Traduzido de: Jeff Duncan (The Athletic).

Imagem destacada: Matt Cashore / Getty Images.

Please follow and like us:

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.