Mundo WhoDat

A casa do torcedor do New Orleans Saints no Brasil!
Mensagem de Dennis Allen aos jogadores: em 2020, serão desafios, nada de desculpas

Mensagem de Dennis Allen aos jogadores: em 2020, serão desafios, nada de desculpas

Por Katherine Terrell 9 Jun, 2020

O coordenador defensivo do New Orleans Saints, Dennis Allen, perguntou a seus jogadores nesta pré-temporada como eles viam os meses difíceis que vêm pela frente.

Devido à pandemia de COVID-19, se retornar no tempo previsto, o futebol americano pode estar diferente no outono [do hemisfério Norte], mas Allen não deixaria seus jogadores fugirem da responsabilidade por conta desta desafiadora pré-temporada. Ele fez uma pergunta a todos: Eles vão fazer deste período um desafio ou vão simplesmente criar desculpas?

“Olha, certamente é um desafio”, ele disse. “E realmente, eu apontei isso para nossos jogadores anteriormente nessa pré-temporada, falando sobre a diferença entre como você olha pra isso em termos de desafios e desculpas. E desculpas precedem derrotas, não o alcance do objetivo. Ao passo que, desafios precedem vitórias e o alcance de seus objetivos. E este é apenas um desafio que nós precisamos enfrentar como um grupo, como uma organização, como um time. E nós certamente nos sentimos prontos pra esse desafio.”

A seguir, Allen fala sobre como ele tem usado seu tempo nesta pré-temporada e como a adição de jogadores como Malcolm Jenkins pode ajudar o time:

The Athletic está fazendo uma série de artigos com os técnicos do Saints durante a pré-temporada. (Leia o artigo anterior com o técnico de linha ofensiva Dan Roushar aqui).

Malcolm Jenkins e Janoris Jenkins vão criar algumas novas possibilidades para a defesa

Allen era o técnico de secundária do Saints quando o time draftou Jenkins na primeira rodada do Draft de 2009 e o treinou por duas temporadas. Embora Allen tenha saído para trabalhar no Denver Broncos em 2011, ele tem visto a evolução da carreira de Jenkins, de cornerback calouro para um safety que é um líder respeitado na liga.

A liderança de Jenkins e sua inteligência de jogo foram duas coisas que o Saints valorizou e considerou quando assinou com ele na free agency nesta pré-temporada.

“Primeiramente, percebemos como Malcolm era um grande líder e como Malcolm era um jogador de futebol de grande inteligência”, disse Allen. “E esses são aspectos que nós gostamos de verdade. Eu acho que Malcolm pode jogar o jogo dentro do jogo. Ele será aquele cara que entende todo o conceito e o plano geral, acho que ter este ponto de vista, da perspectiva do jogador, pode beneficiar o time inteiro… eu acho que, como jogador de futebol americano, ele está evoluído. E evoluído de uma maneira inteligente,  algo que eu acho que pode beneficiar nosso time inteiro.”

Mas a adição de Malcolm Jenkins não é a única mudança na secundária. Janoris Jenkins, que se juntou ao time no final da última temporada, assumirá como um dos outside cornerbacks titulares, ocupando o espaço deixado por Eli Apple. Allen disse que isso pode dar à secundária a flexibilidade para jogar mais em marcação individual em 2020.

“Nós achamos que ele tem um ótimo talento para cobertura homem-a-homem, e quando você tem corners dessa natureza, como ele e Marshon (Lattimore), isso nos dá a habilidade de jogar talvez um pouco mais em marcação individual”, disse Allen. “Isso será algo que veremos nos training camps e em alguns dos amistosos de pré-temporada. Certamente, nós vamos utilizar este tempo para avaliar, observar, não apenas Janoris, mas todos os jogadores defensivos do time, para descobrir as coisas que nós realmente podemos fazer bem.”

Janoris Jenkins foi trazido dos waivers em 16 de dezembro, depois de ter sido dispensado pelo Giants. Portanto, os três jogos que ele jogou (incluindo a pós-temporada) não davam ao Saints uma boa referência ao decidir se deveriam assinar uma extensão com o jogador para reduzir seu impacto no cap.

Ele iniciou 13 jogos pelo Giants em 2019 e teve quatro interceptações e 14 passes desviados durante esse período. Seu talento nunca esteve em questão. Mas problemas internos no decorrer dos anos, incluindo um tweet ofensivo enviado para um fã, foi a gota d’água. Entretanto, o Saints sempre se manteve confortável em trazê-lo, o que foi solidificado ao passar um tempo com ele ao final da temporada.

“Certamente há todo um trabalho de corpo que você utiliza para tentar formar uma opinião sobre o que um cara pode ou não fazer, mas não há nada como a experiência de ter esse cara no dia-a-dia”, disse Allen. “E pela minha experiência com ele naquele curto período de tempo, eu posso te dizer que percebi que ele é um profissional de verdade, minha impressão é de que ele vinha treinar todos os dias com a intenção de jogar melhor, acho que ele foi uma grande adição ao nosso time. Estou realmente empolgado em trabalhar novamente com ele nesta temporada.”

O Saints pode ver mais formações de três safeties

A chegada de Jenkins também deu ao Saints a habilidade de jogar mais vezes com três safeties, com Malcolm Jenkins, Marcus Williams e C.J. Gardner-Johnson, o que Allen admite que eles têm pensado bastante sobre.

Uma vez que os times na liga têm optado por ataques baseados no passe, muito mais do que um jogo corrido forte, as defesas têm mudado apropriadamente. Enquanto os termos “base defense” e “nickel defense” ainda são usados o tempo todo, muitos times, incluindo o Saints, estão na verdade mais em nickel do que em base, isso quer dizer que eles adicionam um cornerback extra para jogar por dentro ou adicionam outro safety em vez de um linebacker.

“Eu diria que isto é uma tendência em toda a liga”, disse Allen. “Setenta-e-poucos por cento dos nossos snaps foram jogados com uma defesa sub, com cinco defensive backs em campo. Agora, se serão três safeties e dois corners ou três corners e dois safeties, certamente é algo que nos resta ser analisado. Eu acho que quando você olha para um pouco da profundidade que nós temos na posição de safety, eu acho que isso para nós é um bom presságio e temos alguns caras que têm boa flexibilidade, em termos do que eles são capazes de fazer.”

“Caras como Chauncey Gardner-Johnson, caras como P.J. Williams, que têm a habilidade de jogar por dentro no slot contra wide receivers, assim como jogar bem na posição tradicional de safety. Então, certamente nos sentimos bem a respeito de certa profundidade que temos e podemos ver, parte desse processo todo acontecerá nos training camps e em alguns amistosos de pré-temporada. Encontrar exatamente quem e o quê nós temos, então nosso trabalho será utilizar estes jogadores da melhor forma que podemos para termos sucesso aos domingos.”

O calouro Zack Baun pode dar também certa flexibilidade ao Saints

Flexibilidade pode ser o termo da temporada quando falamos de novos jogadores, e um jogador que tem sido intrigante é o linebacker Zack Baun. O Saints subiu para pegá-lo na terceira rodada do draft, mas até então, a visão sobre ele tem sido um pouco turva.

Baun produziu bastante em Wisconsin como um edge rusher e disse que se sente mais confortável aí, uma vez que foi assim que jogou a maior parte do tempo no college.

Entretanto, o treinador do Saints, Sean Payton, disse após o draft que eles poderiam vê-lo como um linebacker mike ou sam, aumentando a probabilidade de que ele não jogue em uma só posição tradicional.

“Há uma visão deste cara sendo capaz de se movimentar e fazer algumas coisas diferentes pra nós”, disse Allen. “Obviamente, como um calouro, há uma grande curva de aprendizado em termos de fazer o que lhe é pedido, mas nós o vemos como um cara que pode jogar pela bola ou não, e certamente sabemos que uma das coisas que ele realmente fazia bem era chegar no passador. Há certamente uma visão em nossa mente de algumas coisas que nós podemos fazer com ele em termos de pass rush, o que eu acho que pode realmente nos trazer benefícios.”

Traduzido de:  theathletic.com

(Photo: Stephen Lew / Getty Images)

Please follow and like us:

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.