Mundo WhoDat

A casa do torcedor do New Orleans Saints no Brasil!
Nenhum Santo – Pós jogo de Saints 20×26 Vikings

Nenhum Santo – Pós jogo de Saints 20×26 Vikings

Foi ruim. Não teve nenhum milagre ou jogada traumática, mas a derrota do New Orleans Saints no domingo (5) terminou (precocemente) a temporada de 2019. E foi uma derrota merecida. Apesar do esforço da defesa em nos manter no jogo, o ataque foi de mal a pior com um plano de jogo lamentável e um desempenho muito abaixo de Drew Brees.

O sonho do Super Bowl foi adiado e não teve nenhum santo nessa derrota.

“Claro, foi uma derrota difícil, mas no fim do dia eles acertaram um pouco mais de jogadas do que a gente, o suficiente a mais”, começou Sean Payton em entrevista coletiva. “Demoramos um pouco ofensivamente para entrar no jogo. Eles fizeram várias coisas boas, como cegar nosso jogo corrido. Nós finalmente conseguimos um pouco de ritmo no segundo tempo. Penso que na defesa fomos bem. Tire seu chapéu para Minnesota; eles mereceram vencer. É sempre difícil quando isso acontece nos playoffs. Não tem o jogo seguinte, então você para aqui”.

5e12830e33604.imageVocê consegue achar vários momentos e motivos para o time não ter conseguido ritmo. E é difícil acreditar no Sean Payton quando o jogo corrido “cegado” pelo adversário teve média superior a 4 jardas por corrida. Principalmente com o Latavius Murray, que parece ter sido esquecido pelos treinadores.

Um dos poucos destaques positivos da partida fica para Taysom Hill, nosso coringa. Ele terminou o dia com 50 jardas lançadas, 50 jardas corridas, 25 recebidas e um touchdown. E apesar disso, perdemos.

“É tão difícil quanto você pode imaginar”, disse Hill. “É desapontante. Nós tivemos um grande temporada e somos um grande time. Machuca sair assim. Penso que eles forçaram nossas mãos. Eles fizeram tudo que podiam fazer para tirar Michael Thomas e outros caras. Então, havia a possibilidade para que eu fizesse algumas jogadas. No fim do dia, isso é tudo sobre fazer o que você puder para ajudar seu time vencer”.

Enquanto isso, forçávamos um jogo aéreo capenga, que sofria muito com a pressão realizada pelos dois jogadores de ponta da linha defensiva do Vikings.

“A pressão no Drew é crítica”, disse o tight end Jared Cook. “Nós precisamos manter o pocket limpo para ter sucesso. A pressão acontecia cedo e não soubemos lidar com isso”.

E foi nessa pressão que Brees, tentando estender uma jogada que não deu certo, sofreu um fumble que custou, pelo menos, um field goal que colocaria o time em boa posição.

“O fumble foi extremamente frustrante porque houve um erro de comunicação sobre o que estávamos fazendo. A bola deveria ter saído das minhas mãos e, de repente, não havia a rota que era pra ter e eu tentei lançar a bola em algum lugar povoado para escapar do sack. Assim que minha mão foi para trás, ele bateu no meu braço e a bola escapou. Eu estou realmente desapontado. Isso nunca deveria ter acontecido”.

5e128412f0f86.image

Mas aconteceu. E aconteceu de perder quando não podia perder. Enquanto jogávamos com o máximo possível para apenas humilhar um Carolina Panthers já eliminado, o Minnesota Vikings poupava seus titulares. Quando conseguíamos segurar o ataque adversário, o nosso não conseguia criar ritmo. Quando tínhamos ritmo, alguma coisa acontecia que quebrava o momento. Tudo errado onde não poderia errar.

“Não importa o quão bem você jogou durante o ano”, disse o kicker Wil Lutz, que também errou um field goal que custou caro. “Playoffs é um jogo de eliminação. É duro. A parte mais difícil é que o vestiário é bom. É uma pilula difícil de ser engolida agora”.

“É desapontante toda vez que você tem metas e não as alcança”, falou o melhor jogador da nossa defesa, Demario Davis. “Penso que no fim do dia é o fim de um capítulo e não o fim do livro. Existem capítulos no jogo e na vida que não são os melhores. É tudo sobre como você responde a isso. Você segue a vida. Nós respondemos da maneira certa antes e é isso que temos que continuar fazendo”.

Davis ainda disse que será necessário construir um novo momento em 2020.

5e126ba11b93d.image“Cada oportunidade é diferente. Você precisa maximizar a oportunidade no momento dela. Isso não é uma continuação. Esse foi um bom ano que nos colocou juntos. É singular. Segue sozinho. Não é uma continuação de outros anos. Isso é uma oportunidade e a janela dessa oportunidade fechou. Se foi. É por isso que dói. Você sabe que não terá essa oportunidade novamente. Não da pra prever o futuro. Ninguem sabe o que tem pela frente. Isso é como você responde a isso. Eu não sei quando o bom vai vir e quando a próxima oportunidade aparecerá, mas eu sei que ela está vindo. Eu sei que no fim da história estarei por cima. Essa é minha mentalidade com a vida. Seja vencendo um campeonato ou não, eu já sou um campeão pelo que faço. Eu tento me manter positivo em momentos duros assim como em momentos dolorosos”.

Particularmente, eu duvidei que a magia de 2017 se manteria em 2018. Em 2019, eu imaginava uma janela mais fechada do que foi. Em 2020 eu não sei o que esperar. Vários jogadores importantes ficam sem contrato (Brees, Von Bell, Teddy Bridgewater, Andrus Peat, Onyemata, Eli Appe, Taysom Hill…) e é momento do time tomar decisões difíceis.

O fato é que perdemos três oportunidades e não há como saber quando será a próxima.

#WhoDat

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=FRF5pcX741o&w=560&h=315]

Please follow and like us:

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.