Mundo WhoDat

A casa do torcedor do New Orleans Saints no Brasil!

Como o Saints ficou abaixo do teto salarial em 2022?

O assunto é trazido à tona todos os anos: o New Orleans Saints está dezenas de milhões acima do teto salarial.

O problema de US$ 100 milhões do ano passado foi uma anomalia relacionada ao COVID, mas os Saints enfrentaram outra bagunça nesta offseason: eles precisavam cortar aproximadamente US$ 80 milhões em salários para ficar abaixo do teto de US$ 208,2 milhões da liga.

Aqui estão todos os movimentos, em ordem cronológica e com o detalhamento que os acompanha, que levaram os Saints a estar abaixo do teto salarial antes do prazo de quarta-feira.

26 de fevereiro: Reestruturação dos contratos de Michael Thomas, Ryan Ramczyk e Andrus Peat

Os Saints começaram seus movimentos de reestruturação com dois dos maiores movimentos de economia de dinheiro em seu arsenal: reestruturar o contrato do wide receiver Michael Thomas e do right tackle Ryan Ramczyk.

Os Saints converteram US$ 14,565 milhões do pagamento de Thomas e US$ 18.206.608 milhões do pagamento de Ramczyk em bônus de assinatura para cada um deles – o que criou US$ 26,217 milhões em espaço no teto salarial.

O contrato do guard Andrus Peat também foi reestruturado em 26 de fevereiro, o que deu aos Saints mais US$ 7,8 milhões para trabalhar.

10 de março: Reestruturação dos contratos de Cameron Jordan e Tanoh Kpassagnon

Os Saints fizeram reestruturações simples para os defensive ends Cameron Jordan e Tanoh Kpassagnon, que coletivamente deram aos Saints US$ 12.445.412 em espaço no teto salarial.

Essas movimentações colocaram os Saints aproximadamente US$ 32 milhões acima do teto salarial.

11 de março: Reestruturação do contrato de Alvin Kamara

Os Saints fizeram uma reestruturação simples para o running back Alvin Kamara, convertendo US$ 10,465 milhões de seu pagamento em um bônus de assinatura, o que economizou US$ 8,372 milhões em relação ao teto salarial.

Essa movimentação colocou os Saints aproximadamente US$ 23 milhões acima do teto salarial.

12 de março: Reestruturação do contrato de Marshon Lattimore

Os Saints fizeram uma reestruturação simples para o cornerback Marshon Lattimore, convertendo seu salário-base e seu bônus de elenco para economizar US$ 18,4 milhões no teto.

Essa movimentação colocou os Saints aproximadamente US$ 5 milhões acima do teto salarial, mas depois que os Saints colocou uma second-round tender no recebedor Deonte Harty em 14 de março, esse número voltou a aumentar um pouco.

15 de março: Reestruturação do contrato de Marcus Davenport, extensão do contrato de Bradley Roby

Os Saints fizeram uma reestruturação simples para o defensive end Marcus Davenport e estenderam o contrato do cornerback Bradley Roby. O segundo movimento foi uma pequena surpresa, já que Roby era um candidato em potencial para ser cortado em detrimento do teto salarial.

Davenport, antes de sua reestruturação, tinha um peso no teto salarial de US$ 9,5 milhões, e os Saints converteram US$ 8 milhões de seu salário base em um bônus de assinatura para dar ao time US$ 6,8144 milhões em espaço no teto salarial.

Os detalhes oficiais ainda não estão disponíveis para o caso de Roby, que originalmente tinha um peso no teto de US$ 10 milhões antes da extensão, mas a mudança pode economizar de US$ 6 a 7 milhões em relação ao teto.

16 de março: Reestruturação dos contratos de David Onyemata e James Hurst

Os Saints fizeram reestruturações simples tanto para o defensive tackle David Onyemata quanto para o offensive lineman James Hurst.

Onyemata tinha um peso no teto de US$ 13,17 milhões antes de sua reestruturação, e os Saints converteram US$ 6,4 milhões de seu salário base e um bônus de elenco de US$ 1 milhão – enquanto adicionavam três anos “inexistentes” – para liberar US$ 5,972 milhões.

Hurst tinha um peso de US$ 4,425 milhões antes de sua reestruturação, e os Saints converteram US$ 705 mil e seus bônus combinados de participação no training camp e no elenco de US$ 600 mil – enquanto adicionavam três anos “inexistentes” – para dar aos Saints um extra de US$ 1,04 milhão em relação ao teto.

Juntas, essas reestruturações economizaram US$ 7,016 milhões aos Saints em relação ao teto salarial, colocando-os oficialmente em conformidade com o valor estipulado pela liga.

Traduzido de: nola.com

Please follow and like us:

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.