Mundo WhoDat

A casa do torcedor do New Orleans Saints no Brasil!
Saints em ‘boa forma’ depois da reconciliação de Drew Brees com os colegas de equipe

Saints em ‘boa forma’ depois da reconciliação de Drew Brees com os colegas de equipe

O quarterback do New Orleans Saints, Drew Brees, não esperou que uma pergunta fosse feita.

Durante sua primeira entrevista com a imprensa de Nova Orleans desde Janeiro, Brees queria tirar algo do peito.

Ele queria discutir a entrevista que fez com o Yahoo Finance em 3 de Junho e a agora infame resposta que ele deu sobre como nunca concordaria com alguém que desrespeitava a bandeira americana ao se ajoelhar o durante o hino nacional.

A partir daí, Brees mergulhou em seus comentários escritos que duraram quase quatro minutos.

“Pensar por um segundo que Nova Orleans ou o estado da Louisiana ou a comunidade negra pensariam que eu não estava de pé com eles por justiça social, isso partiu completamente meu coração”, disse Brees. “Foi esmagador. Nunca me senti assim”, acrescentando que ele perdeu uma oportunidade de discutir as injustiças sociais que existem para os negros na América.

“Minha falta de consciência naquele momento machucou muitas pessoas”.

Em seu comunicado, Brees disse que continuará defendendo a bandeira, mas respeita os que escolhem ajoelhar-se em protesto.

Logo após os comentários iniciais de Brees, vários de seus atuais colegas de equipe se manifestaram publicamente em desacordo com Brees – provocando especulações de que o vestiário dos Saints, que tem uma forte ligação entre os jogadores, havia sido rompido.

Brees disse que teve muitas conversas com seus colegas de equipe sobre o assunto, acrescentando que o período prolongado de reuniões antes do início do training camp deu à equipe mais chances de conversar pessoalmente.

“Nós nos reconciliamos e encerramos qualquer coisa do passado e estamos avançando para focar nas questões de justiça social que estão em todo o país, especialmente algumas das coisas que estão acontecendo localmente”, disse Brees.

O gerente geral do Saints, Mickey Loomis, disse que, apesar de não ter conversado muito com seus jogadores durante a offseason, ele sentiu que Brees e a equipe lidaram bem com o “assunto particular”.

“Acho que o vestiário está em boa forma”, disse o técnico do Saints, Sean Payton. “Não vejo necessidade de abordar nada relacionado a isso.”

Um dos maiores detratores imediatos de Brees em Junho foi um amigo de longa data e companheiro de equipe, o safety Malcolm Jenkins, que emitiu duas longas e emocionantes declarações em vídeo nas suas redes sociais dirigindo-se a Drew. No entanto, o primeiro dos dois foi excluído.

“Você não se prontificou”, disse Jenkins, sufocando as lágrimas, no vídeo agora excluído. “Em ficar em silêncio quando seus colegas gritam das montanhas que precisamos de ajuda, nossas comunidades estão sitiadas e precisamos de ajuda. E o que você está nos dizendo é: ‘Não peça ajuda dessa maneira. Peça ajuda de uma maneira diferente. Eu não posso ouvi-lo quando você pede dessa maneira.'”

Desde então, Brees e Jenkins disseram publicamente que os dois consertaram as cercas.

Brees disse que ele e Jenkins estão conversando sobre como trabalhar juntos para combater as injustiças sociais.

“Nossos objetivos estão alinhados”, disse ele.

O Yahoo Finance fez a Brees a pergunta sobre o hino nacional na crença de que a NFL e outras ligas verão mais jogadores voltarem a protestar contra a brutalidade policial e o racismo sistêmico – como o ex-quarterback do San Francisco 49ers Colin Kaepernick fez em 2016 – por causa dos assassinatos de George Floyd e Breonna Taylor pelas mãos da polícia em 2020.

Kaepernick começou a protestar contra a brutalidade policial, especificamente o assassinato de homens e mulheres negros pelas mãos da polícia, durante o hino nacional em 2016. Kaepernick permaneceu sentado durante o hino quando começou a protestar contra a opressão sistêmica e a brutalidade policial durante a pré-temporada daquele ano, mas depois optou por se ajoelhar depois de falar com Nate Boyer, um Army Green Beret aposentado que jogou pelo Seattle Seahawks na pré-temporada de 2015.

Ajoelhar-se tornou-se politicamente controverso, à medida que mais jogadores da liga começaram a participar durante a temporada de 2016. Kaepernick se tornou um free agent após a temporada de 2016 e não foi contratado por nenhuma equipe desde então.

Brees, em 2016, disse que “sinceramente” discordou do método de protesto de Kaepernick, mas apoiou o conteúdo de sua mensagem.

“Ele pode falar sobre uma questão muito importante, mas existem muitas outras maneiras de fazer isso de maneira pacífica, que não envolve desrespeitar a bandeira dos Estados Unidos”, disse Brees logo após Kaepernick começar seu protesto. “É paradoxal que você esteja sentado, desrespeitando a bandeira que lhe deu a liberdade de falar.”

O assunto voltou a ganhar destaque nacional em 2017, depois que o presidente Donald Trump disse que os proprietários da NFL deveriam demitir qualquer jogador que se ajoelhasse durante o hino, chamando adicionalmente qualquer jogador que participe desses protestos de “filho da p***“.

Quando Brees se desculpou por seus comentários de Junho, Trump tuitou que Brees não deveria ter feito isso, dizendo que Brees não precisava retirar sua declaração original. Brees respondeu logo depois, dizendo: “Esta não é uma questão sobre a bandeira dos Estados Unidos. Nunca foi.”

Depois que Brees respondeu ao tuíte de Trump, vários de seus colegas de equipe – incluindo Michael Thomas, mostraram seu apoio renovado ao quarterback nas redes sociais.

Mesmo que várias ligas esportivas profissionais tenham adotado o movimento “Black Lives Matter” e outras causas de justiça social durante seus respectivos reinícios, Trump continuou sua oposição.

“Ansioso pelos esportes ao vivo, mas sempre que vejo um jogador ajoelhado durante o Hino Nacional, um grande sinal de desrespeito ao nosso país e nossa bandeira, o jogo acabou para mim!” Trump tuitou em 21 de Julho.

Para Brees, a temporada 2020 está apenas começando, e mesmo que seu tempo pessoal com seus colegas de equipe tenha sido afetado devido aos protocolos da Covid19, Brees quer que todos saibam que ele quer ser um líder nesses tempos.

“Sou alguém que sempre abordará as desigualdades e disparidades que existem”, disse Brees. “Sou alguém que tem grande empatia por aqueles que estão sofrendo, lutando ou são vítimas de injustiça. E sou alguém que sente um grande senso de responsabilidade de servir, liderar e trazer verdadeira igualdade a todos.

Traduzido de: nola.com

Please follow and like us:

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.