Mundo WhoDat

A casa do torcedor do New Orleans Saints no Brasil!
‘Say Her Name’: Saints liderará coalizão sobre os impactos do racismo e sexismo nas mulheres negras

‘Say Her Name’: Saints liderará coalizão sobre os impactos do racismo e sexismo nas mulheres negras

O New Orleans Saints usará a temporada de 2020 para elevar as vozes e experiências das mulheres negras através de uma série de uma temporada focada nas interseções de ser uma mulher negra nos Estados Unidos, anunciou a equipe na sexta-feira.

A gênese do projeto veio de como o caso de Breonna Taylor foi tratado em Louisville, Kentucky, disse o linebacker Demario Davis.

“Quando há tanta ênfase em Ahmaud Arbery e George Floyd, ela costumava ser deixada de fora da conversa”, disse Davis.

Taylor, uma mulher negra de 26 anos, foi morta a tiros em 13 de Março pela polícia de Louisville enquanto dormia em sua casa. Três policiais à paisana executaram um mandado de prisão preventiva na casa de Taylor, e tiros foram trocados entre a polícia e o namorado de Taylor, que acreditava que os policiais eram intrusos. A polícia disparou 20 tiros, oito dos quais atingiram Taylor.

A residência de Taylor foi incluída no mandado porque ela tinha uma “amizade passiva” com um homem acusado de vender drogas a mais de 16 quilômetros de distância. Nenhuma substância controlada foi encontrada no apartamento de Taylor. O relatório do incidente apresentado após o tiroteio alegou que Taylor não tinha ferimentos e não houve entrada forçada no apartamento.

Dos três policiais envolvidos na morte de Taylor, um foi demitido e dois foram colocados em funções administrativas. Nenhuma acusação foi apresentada.

“Seus assassinos ainda não foram condenados, então queríamos um mergulho mais profundo em tantas histórias como a dela, onde essas vozes não estão sendo ouvidas e esses casos não estão sendo discutidos”, disse Davis.

Alguns dos líderes dos Saints – Davis, Terron Armstead, Malcolm Jenkins, Drew Brees, Alvin Kamara, Cameron Jordan, Craig Robertson e Thomas Morstead – tiveram uma série de conversas antes de chegar a um consenso sobre o que focar em seu grande projeto, disse Armstead.

Ao fazer uma análise mais aprofundada, Davis disse que perceberam o quanto [o racismo e o sexismo] afetam as mulheres negras de uma maneira diferente e como essas lutas não estão sendo trazidas à tona.

“Mulheres negras – avós, mães – elas são literalmente a espinha dorsal da comunidade e elas são deixadas de fora da conversa, é uma responsabilidade extra para nós, como homens negros, trazer suas vozes e suas vidas para o primeiro plano”, disse Davis, acrescentando que, com Gayle Benson sendo uma das poucas donas de equipes na NFL, isso lhes deu ainda mais motivos para se concentrarem nas histórias das mulheres. “A melhor maneira de trazer mudanças é ser a mudança, e é isso que estamos tentando fazer.”

Por causa disso, o Saints não irá se concentrar apenas nas vítimas da brutalidade policial, como Taylor, eles irão participar de conversas maiores ao longo da temporada sobre vários tópicos.

Essas mesas redondas serão: Semana 3: Mulheres negras e a educação; Semana 5: Mulheres negras e a saúde; Semana 7: Mulheres negras e a violência doméstica; Semana 10: Mulheres negras e a interseção da opressão; Semana 11: Mulheres negras, nos esportes e mídia; Semana 15: Mulheres negras, justiça social e igualdade racial; e Semana 16: Mulheres negras e criação da próxima geração de meninos negros.

“Acreditamos que elevar as vozes das mulheres negras ajudará a elevar todas as mulheres e elevará nosso país como um todo”, disse Davis. “Essa é a postura que estamos assumindo como equipe.”

Eles também trouxeram um conselho consultivo de mulheres negras para compartilhar suas histórias. Essas mulheres são a guard do Washington Mystics, Natasha Cloud, Maria Taylor da ESPN, MJ Acosta da NFL Network, Taylor Rooks do Bleacher Report e Chelsea Heyward da Players Coalition.

A equipe anunciou sua campanha por meio de um vídeo de 2 minutos postado nas redes sociais com os oito jogadores por trás da coalizão lendo uma mensagem sobre como a sociedade está falhando com as mulheres negras e conclamando todos a fazerem melhor e “tornar os Estados Unidos mais seguro e mais justo.”

https://platform.twitter.com/widgets.js

Os jogadores sabem que receberão algumas críticas por não se aterem aos esportes, mas para eles a causa é muito maior do que qualquer esporte.

“Se você precisa de mais evidências, se você precisa ver mais, ouvir mais, neste ponto, você é parte do problema”, disse Armstead, citando Davis. “Está tudo lá fora. Tudo lá fora o que precisa ser dito para dar um passo na direção certa da mudança.

“Chegamos a um ponto em que é um desserviço para nossas famílias, nossas comunidades, manter-se apenas nos esportes. Temos uma plataforma. Temos vozes. Temos a oportunidade de ser expressivos e pedir mudanças, não apenas pedir mudanças. Estamos aqui fora, mãos na massa tentando fazer mudanças perceptíveis.”

https://platform.twitter.com/widgets.js

Traduzido de: nola.com

Please follow and like us:

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.