Mundo WhoDat

A casa do torcedor do New Orleans Saints no Brasil!
Conhecendo nosso adversário: Tampa Bay Buccaneers

Conhecendo nosso adversário: Tampa Bay Buccaneers

A temporada está de volta e a análise dos nossos adversários também. E, logo na primeira semana, teremos um dos confrontos mais esperados, o Tampa Bay Buccaneers.

Confesso que, para quem vos escreve, não é nada bom começar a temporada contra um time totalmente reformulado (principalmente no ataque), então, muito do que verão por aqui, será baseado em uma expectativa, que pode ou não se concretizar no domingo.

De toda forma, na temporada passada a equipe da Flórida teve uma campanha com sete (7) vitórias e nove (9) derrotas, ocupando a 11ª posição na NFC fazendo muitos pontos, mas sofrendo muito também, muito devido à inconsistência do ataque comandado por Bruce Arians, tendo como QB, o hoje Saints, Jameis Winston.

Entretanto, na offseason, a franquia não economizou nas contratações e montou uma panelinha em torno do astro recém-chegado Tom Brady, trazendo nomes consagrados como os RBs LeSean McCoy e Leonard Fournette, e ainda “desaposentaram” o TE Rob Gronkowski. Sem mais delongas, vamos ao que se pode esperar desta equipe:

ATAQUE

Tom Brady e Rob Gronkowski. Foto de: Tampa Bay Times.

Como já dito, o ataque deste ano será diferente em questão de nomes, porém é interessante saber que, na temporada passada, em questão de números, este ataque já foi um dos melhores da liga, sendo o 4º em pontos por jogo (28,6) e o terceiro em jardas por partida (397,9).

Como melhorar números assim? Adquirindo quem, para muitos, é o melhor QB de todos os tempos. Mesmo em idade avançada (43 anos) e vindo de uma temporada não muito boa, colocar um líder deste patamar no lugar do inconsistente Jameis Winston é com certeza uma melhoria para este ataque. Temporada passada, Brady lançou para 24 touchdowns e 8 interceptações, completando 60,8% dos passes, resultando em 4057 jardas totais e um QB Rating de 88.0, números bons, mas relativamente baixos para um QB deste porte.

O corpo de running backs adquiriu já próximo da temporada, dois nomes de grande porte. O experiente LeSean McCoy (que não rende o que já rendeu), e Leonard Fournette, recém dispensado por Jacksonville. Entretanto, o RB titular para a semana 1 será Ronald Jones II. Em seu terceiro ano em TB, Jones vem de uma ótima temporada, correndo 724 jardas com uma média de 4.2 jardas por carregada, além de 6 touchdowns. Apesar dos bons nomes, uma questão é pertinente. Tom Brady, em toda sua carreira, se acostumou a jogar bastante com RBs recebedores, o que não é uma das principais características de nenhum destes três, e Dare Ogunbowale, RB com essa característica, foi dispensado da equipe para a contratação de Fournette. Será um ponto interessante a se observar na partida.

Para suprir essa necessidade, Brady vai ter o que raramente teve em sua carreira: dois ótimos wide receivers. A equipe de Tampa conta com o 3x jogador de Pro Bowl, Mike Evans (dúvida para o jogo com uma lesão na virilha), e com a estrela em ascensão Chris Godwin, que foi ao Pro Bowl na temporada passada (assim como Evans), após receber 1333 jardas e 9 TDs. No corpo de WRs ainda tem menção honrosa a Scotty Miller e Justin Watson.

Ajudando nas recepções, precisamos falar dos TEs. Não se sabe ainda como voltará Rob Gronskowski, um dos melhores TEs de todos os tempos, mas que sofreu muito com lesões e é uma incógnita em Tampa. Particularmente, acho difícil que o jogador se destaque essa temporada e principalmente nesse jogo. Caso o plano Gronk dê errado, a franquia ainda conta com os TEs O.J. Howard e Cameron Brate que fizeram trabalhos decentes nos últimos anos.

Enfim chegamos ao ponto mais questionável deste ataque, além da falta de entrosamento, obviamente. A linha ofensiva do Bucs foi algo muito questionável temporada passada, sendo apenas a 22ª melhor da liga em sacks cedidos por jogo, com a alta quantia de 2,9 sacks de média por jogo. Para essa temporada, a única aquisição para o grupo foi o tackle Tristan Wirfs, escolha de primeira rodada do Draft, vindo da Universidade de Iowa. Apesar do grande talento da 13ª escolha geral, segundo Higor Laet, dificilmente um jogador de linha causa impacto instantâneo ao chegar a NFL. Este deve ser o principal ponto a ser explorado pela defesa (especialmente por Cam Jordan) no confronto.

DEFESA

Shaquil Barrett sackando Matt Ryan. Foto de: Tampa Bay Times.

Enquanto o ataque está totalmente reformulado, não podemos falar o mesmo da defesa. A base se manteve e o elenco é muito parecido com o da temporada passada. Tendo a de base, a defesa de Tampa sofreu muitos pontos (28,1 pontos por jogo), 4ª pior marca da liga. Entretanto, muitos desses pontos foram causados por turnovers do ataque colocando a equipe adversária em boa posição de campo, tendo em vista a média de jardas cedidas por jogo, o número é bem razoável (343,9 jardas por jogo), sendo a 15ª melhor da liga no quesito.

Por nomes, essa defesa possui inúmeros talentos. Jogando no esquema 3-4, o talento começa na linha defensiva. De contrato novo, o ótimo e conhecido DT Ndamukong Suh (5x Pro bowler) faz companhia para o DT promessa Vita Vea (vem para a temporada da carreira, segundo Higor Laet). Fechando os 3 homens de linha, temos o experiente DE William Gholston.

Isso não significa que apenas três jogadores vão atacar o QB. Dois jogadores designados como outside linebackers se alinham para atacar o Brees em algumas (várias) jogadas. São eles o experiente e 2x Pro Bowler Jason Pierre-Paul, que já tem seus 31 anos e o principal jogador dessa defesa: Shaquille Barrett.

Este merece um parágrafo apenas para ele. De contrato renovado, o jogador de 27 anos vem da temporada de sua carreira. Foi o líder em sacks da NFL em 2019 com 19.5 sacks, nomeado para o Pro Bowl e foi o 4º colocado na disputa pelo jogador defensivo do ano na temporada passada. Com certeza é o maior problema que nossa OL enfrentará (não que os outros também não sejam um).

Fechando este fortíssimo front-seven, temos o talentosíssimo LB Devin White, 5ª escolha do Draft de 2019 vindo de LSU, e o bom e experiente Lavonte David, jogador de Pro Bowl no ano de 2015.

A principal fraqueza desta defesa é a secundária, que não conta com nomes muito conhecidos, e que foi a 3ª pior defesa contra o jogo aéreo na temporada passada (270,1 jardas por jogo). Os cornerbacks titulares são Carlton Davis, ex CB2 da equipe, promovido oficialmente para CB1 esse ano, e Sean Murphy-Bunting, também promovido para a equipe titular após ser reserva temporada passada. O 3º CB Ryan Smith ainda deve aparecer em alguns snaps. Fechando a secundária, a equipe conta com os safeties Jordan Whitehead e Antoine Winfield Jr., sendo este último calouro selecionado na segunda rodada deste Draft.

ESPECIALISTAS

Ryan Succop. Foto de: buccaneers.com

O time de especialistas também se reforçou. Apesar da boa temporada do kicker Matt Gay ano passado, Bruce Arians decidiu escolher um kicker mais experiente para essa temporada, contratando assim o veterano Ryan Succop. Punteando a bola, eles se mantém com o punter Bradley Pinnion, e o WR5 da equipe Jaydon Mickens, é o designado para retornar kickoffs e punts, o mesmo já foi retornador do Jacksonville Jaguars em 2017 (ano em que a equipe chegou a final da AFC).

Dado o exposto acima, há de se esperar um confronto dificílimo para iniciarmos a temporada, entretanto, o melhor elenco, maior entrosamento e o fato do jogo ser em New Orleans (mesmo que sem torcida), colocam o New Orleans Saints como favorito para o confronto de domingo (13/09), que ocorrerá as 17h25 (horário de Brasília), com transmissão da ESPN 2.

Foto destacada: USA Today.

Please follow and like us:

Leave comment

Your email address will not be published. Required fields are marked with *.